Início
Calça Social Feminina PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
21-Jul-2008

1 Objeto

Calça social feminina


2 Aplicação

Compõe os uniformes A1, A2 e A3 (Uniformes de Cerimônia – bege, branco e cinza) e C1 e C2 (Uniforme de Trânsito e Expediente e para o pessoal da saúde).


3 Características Gerais

Calça Social feminina, confeccionada em tecido gabardine (75% poliéster/25% viscose) nas cores bege, branca ou cinza, com cós postiço, fechamento através de gancho metálico embutido, com 08 passantes. Vista embutida com zíper.

Bege = Pantone 18 10 27 TC

Branca= Pantone 11 06 01 TC


4 Características Específicas

4.1 Confecção

4.1.1Talhe: frente lisa, sem pence, talhe feminino; direita, largura regular, sem bainha, com as bocas overlocadas, tendo sobra interna de tecido em toda a extremidade, não inferior a 2 cm, e na emenda do traseiro 3 cm, de modo que se possibilite alargar a calça até 4 cm, ou estreitá-la até 5cm;

4.1.2 Não conterá bolsos laterais dianteiros;

4.1.3 O traseiro conterá uma pence de cada lado;

4.1.4 Boca: abertura com o mínimo de 20,0cm e no máximo de 24,0cm, nunca podendo ultrapassar a medida do joelho em mais de 2,0cm;

4.1.5 Portinholas (02) aplicadas no traseiro, terminados em ângulos, com 4.,5cm nas laterais e 5,5cm no vértice do ângulo.

4.1.6 Cintura: com 08 (oito) passantes externos para cinto, bem distribuídos, do mesmo tecido, pespontado por duas costuras laterais, medindo cada uma 4,5cm de altura, por 1,3cm de largura; externamente, o cós em viés deverá ser entretelado e forrado em toda extensão; será abotoada por 02 (dois) botões, sendo os dois internos no dianteiro esquerdo, ou por presilhas tipo macho e fêmea; o cós deverá ter 4,5cm de altura, no mínimo, e 4,6cm, no máximo;

4.1.7 Braguilha: forrada com o mesmo tecido e fechada `a direita com zíper, de primeira qualidade, nas cores dos respectivos tecidos;


5 Características da Modelagem

5.1 Traseiro com duas pences (uma em cada traseiro)

5.2 Portinholas em forma de bico ao centro aplicadas na parte traseira da calça (uma em cada traseiro).

5.3 Cós postiço de 4,5cm entretelado com faixa e os passantes inseridos na costura inferior

5.4 Vista embutida com zíper de poliéster ou metálico


5.5 Tipo de Costuras:

5.5.1 Fechamentos laterais e entre pernas = Ponto corrente de 01 agulha

5.5.2 Fechamento do gancho traseiro = Ponto corrente 02 agulhas defasadas

5.5.3 Pesponto de vista, fixação de gancho dianteiro e portinholas dos bolsos traseiros, pespontos de bolsos e portinholas = Reta 01 agulha ponto fixo

5.5.4 Cós em viés montado e fixado com máquina reta 01 agulha ponto fixo

5.5.5 Fechamento dos bolsos (forro) = interlock bitola estreita

5.5.6 Overlock na barra da perna e nas partes desfiantes do tecido



5.6 Requisitos de costura:

5.6.1 Dianteiro

5.6.1.2 Zíper pregado a vista com máquina reta de 01 agulha.

5.6.1.3 Vista pespontada com máquina reta 01agulha.

5.6.1.4 Sem bolsos laterais e frontais ( bolso relógio)

5.6.2 Traseiro

5.6.2.1 Pences traseiras fixadas internamente com máquina reta 01 agulha.

5.6.2.2 Gancho traseiro fechado com máquina ponto corrente 02 agulhas defasadas, costura aberta com bordas overlocadas.

5.6.2.3 Portinholas (02) aplicadas abaixo do cós (7 cm) em cada lado da calça com cantos retos em forma de bico ao centro, pespontadas em seu contorno com máquina reta de 01 agulha a 07 ± 1,0mm da borda (sem abertura dos bolsos).

5.6.2.4 Cós: em viés montado com entretela e faixa e fixado com máquina de cós ou reta 01 agulha, aplicação de gancho embutido para fechamento.



5.6.2 Passantes

5.6.2.1 08 de 12,0mm de largura sendo 04 no dianteiro posicionados nas extremidades das aberturas dos bolsos relógio, e 04 no traseiro;

5.6.2.2 02 a 45 ± 5,0mm de cada lado da costura do gancho e 01 acima de cada portinhola traseira posicionada a 25,0mm da pence medidos no sentido da pence para o fechamento lateral.

5.6.2.3 Os passantes terão a parte inferior inserida no cós e a parte superior com a ponta dobrada por sobre a borda do cós e inserida internamente a faixa.


5.6.3 Fechamentos: Laterais e entrepernas em máquina de ponto corrente de 01 agulha.

5.6.4 Travetes: no final da vista e nas pontas do cós.

5.6.5 Caseado: Caseado reto de 22,0mm na posição vertical centralizado na abertura do bolso traseiro distante 20,0mm medidos da borda do vivo ao centro do caseado.

5.6.6 Barra da perna: Overlocada


5.7 Aviamentos:

5.7.1 Linha na cor do tecido:

5.7.2 linha pes./alg. ou puro pes. 80 para costuras de fixação, interlock, pespontos , caseado e botão.

5.7.3 linha pes./alg. ou puro pes. 120 para overlock.

5.7.4 gancho metálico.

5.7.5 zíper de poliéster ou metálico tipo 03 com cadarço na cor do tecido sendo:

5.7.5.1 de 15,0cm para os tamanhos até o 42;

5.7.5.2 de 18,0 cm para os tamanhos do 44 em diante.

Observação: Pontos por cm. = 3,0 a 3,5cm em todas as costuras.



6 Tabela de Medida

TABELA 1 MEDIDAS E TOLERÂNCIAS –FEMININO



PONTOS DE

MEDIDAS

TOLE-RÂNCIAS

NUMERAÇÃO

36 38

40 42

44 46

48 50

52 54

56 58

G

E

R

A

I

S

Cintura com cós

+/- 1,0 cm

36

38

40

42

44

46

48

50

52

54

56

58

Quadril

+/- 1,0 cm

50

52

54

56

58

60

62

64

66

68

70

72

Coxa

+/- 1,5 cm

30

31

32,5

33,5

35

36

37,5

38,5

40

41

42

42,5

G

A

N

C

H

O

Dianteiro s/ cós

(profissional)

+/- 1,0 cm

23,5

24

24,5

25

25,5

26

27

27,5

28

28,5

29

29,5

Traseiro s/ cós

(profissional)

+/- 1,0 cm

37

38

39

40

41,5

42,5

43,5

44,5

45,5

46,5

47

47,5

Entrepernas

(sem barra)

+/- 1,0 cm

85

85

87

87

88

88

88

88

88

88

88

88

Ilhargas

+/- 1,0 cm

107

107

112

112

114

114

114

114

114

114

114

114


7 Embalagem


7.1 Critérios de embalagem


7.1.2 Peças acondicionadas em caixas de papelão, com as seguintes medidas: 44 cm de comprimento, 44 cm de largura, 42 cm de altura e 4 cm de espessura.

7.1.3 Quantidade de peças por caixa. Aproximadamente 50 unidades, envolvidas individualmente em sacos plásticos.

7.1.4 Informações obrigatórias das caixas. Na lateral externa, uma tarja de identificação, contendo as seguintes informações:



  1. Logomarca e nome do fabricante

  2. Nome do produto

  3. Tamanho/largura/n.º da peça

  4. Quantidade de peças

05) Número do lote


8 Etiquetas


8.1 Informações das Etiquetas: Etiqueta de pano ou nylon indicativa do número do manequim a que se refere, composição do tecido e procedência, bem como instruções de lavagem e conservação.

8.2 Fixação das Etiquetas : Costurada internamente na costura inferior do cós a 1,5 cm de distância da braguilha;



9 Plano de Amostragem

Para fins de realização de inspeção visual, manual, metrológica e dos testes de desempenho previstos nesta Norma, serão apresentadas as seguintes amostras:

9.1 Durante a fase de licitação -As empresas licitantes deverão apresentar um exemplar de cada item cotado, como amostra, por ocasião da apresentação das propostas de fornecimento.


9.2 No Recebimento

9.2.1 Lote: cada lote entregue será amostrado segundo a NBR 5426, nas seguintes condições:

9.2.1.1 Plano de amostragem: dupla

9.2.1.2 Regime de inspeção: normal

9.2.1.3 Nível de inspeção II.


9.2.2 Tabela de referência: A retirada da amostra será feita utilizando-se a Tabela de números aleatórios prevista na NBR 5425, observando-se a tabela 3:

TABELA 3

PLANO DE AMOSTRAGEM


TIPO DE LOTE

PLANO DE

AMOSTRAGEM

INSPEÇÃO

REGIME

NÍVEL

Lote de inspeção (Quantidade entregue à PMMG numa mesma data ou período)

Dupla

Normal

II



9.2.3 Teste: Quando um determinado teste exigir uma quantidade de material maior que a amostra obtida segundo os critérios estabelecidos nesta norma, o mesmo deverá ser realizado censitariamente.

9.2.4 Outros planos de amostragem serão exigidos, de acordo com a conveniência administrativa, especialmente nos casos em que se deseja maior ou menor severidade na inspeção, maior celeridade e/ou menor custo na realização das inspeções e ensaios.



10 Inspeção visual, manual e metrológica


10.1 Tolerâncias e Permissões

Serão consideradas defeitos todas as ocorrências e/ou irregularidades que possam, de forma direta ou indireta, alterar as características normais da peça, inviabilizar o seu uso ou, ainda, causar insatisfação e desconforto ao usuário final.


10.2 Níveis de Qualidade Aceitável (NQA)

10.2.1 Defeito Crítico: NQA = 0,0

10.2.2 Defeito Grave: NQA = 1,0

10.2.3 Defeito Tolerável: NQA = 2,5


  1. Principais Irregularidades e suas Tolerâncias/Permissões. Conforme tabela seguinte.

  2.  














TABELA 4

CLASSIFICAÇÃO DAS IRREGULARIDADES



DEFEITO

CLASSIFICAÇÃO

Crítico

Grave

Tolerável

NQA = 0,0

NQA = 1,0

NQA = 2,5

10.3.1 Irregularidades de medidas: Todas as peças devem obedecer a tabela de referência de medidas, adotada conforme tabelas 1 e 2 desta norma, cujas tolerâncias estão implícitas na tabela. Qualquer medida que fuja dos valores estipulados nas tabela referidas ou das tabelas comparadas será apontada como defeito crítico, não sendo toleradas tais irregularidades, mesmo que permitam o uso da peça. Todas as inspeções serão realizadas mediante a respectiva tabela de medidas da peça correspondente.





X



10.3.2 Irregularidades dos fechamentos: As costuras de fechamentos interferem diretamente na durabilidade da peça. Assim, será considerado defeito grave quando os fechamentos estiverem fora do padrão especificado nesta norma.




X


10.3.3 Irregularidades nos travetes e arremates: A falta de travetes, nos pontos especificados, interfere na durabilidade da roupa, assim como se o travete estiver mau posicionado, de forma a não cumprir com a função requerida. Em ambos os casos serão considerados defeitos graves.





X





10.3.4 Irregularidades das linhas: As linhas de costura externa e interna deverão ter a cor mais aproximada da cor do tecido. Caso não seja possível deverá ser usada uma tonalidade abaixo, ou seja, uma pouco mais escura, sendo composta de 100% poliéster. Qualquer linha que fuja dessa especificação será considerada defeito grave, salvo se especificado em contrário.





X



10.3.5 Irregularidade nas etiquetas: Todas as roupas, por determinação de lei, devem levar etiquetas de composição do tecido. Cabe à confecção a responsabilidade de colocação das etiquetas nas peças, conforme descrito no item 8 dessa norma e o controle da correta identificação dos artigos respectivos. Todas as peças devem conter etiqueta com a identificação da confecção homologada, bem como a de identificação do artigo, composição e tamanho da roupa.






X


DEFEITO

CLASSIFICAÇÃO

Crítico

Grave

Tolerável

NQA = 0,0

NQA = 1,0

NQA = 2,5

10.3.6 Irregularidades das costuras:

11.3.6.1 Costuras tortas – é toda costura que, em seu visual não esteja retilínea ou não obedeça a simetria do contorno da parte onde está empregada. Enquadra-se, também, o não paralelismo de costuras duplas exigidas, quando feitas com máquinas de uma agulha ao invés de duas agulhas paralelas. Qualquer costura que fuja a este padrão será considerada como defeito tolerável.







X





10.3.6.2 Costuras rompidas – é toda costura que tenha em sua extensão mais que dois pontos quebrados ou rompidos. Até dois pontos quebrados ou rompidos poderão ser toleradas. Mais que dois serão consideradas como defeito grave.




X



10.3.6.3 Costuras caídas – é toda costura que saia fora do contorno/borda em que se está aplicando o pesponto ou fixação. Tais defeitos serão considerados como toleráveis.







X

10.3.6.4 Costuras remontadas – é toda costura que, por decorrência de um conserto, ultrapassar mais que três pontos, sem sobrepor à costura original, ou um pesponto que ultrapasse seu limite e finalidade sobrepondo-se a outra costura. Mais que três pontos remontados serão considerados como defeito não tolerado.




X



10.3.6.5 Pontos falhos – são todos os pontos que não completaram sua “laçada” em parte da extensão da costura, e que poderão, no caso de costura em ponto corrente, acarretar o desmanchamento da costura. Tal irregularidade não será tolerada.



X



10.3.6.6 Mal embainhado – é toda costura em que a borda do tecido estiver aparente em parte ou na totalidade de sua extensão. Mais que cinco cm de mal embainhado serão considerados como defeito crítico e não serão tolerados.



X



10.3.6.7 Costura com franzimento – é toda costura cuja aparência da superfície do tecido não apresente aspecto plano ou em conformidade com o tecido em geral. Defeito considerado grave.



X



DEFEITO

CLASSIFICAÇÃO

Crítico

Grave

Tolerável

NQA = 0,0

NQA = 1,0

NQA = 2,5

10.3.6.8 Costuras com pregas – é toda costura que em sua extensão ocasionar pregas ou rugas no tecido ao redor da área em que está aplicada. Tal irregularidade será considerada grave..



X


10.3.6.9 Costura incompleta – é toda costura de pesponto ou fixação que não completar ou cumprir com a finalidade ou aplicação. Irregularidade considerada crítica e não será tolerada.


X



10.3.6.10 Costura tencionada – é toda costura que, por excesso de tencionamento nas linhas, cause franzimento aparente do tecido onde a mesma é aplicada. Irregularidade considerada grave.



X


10.3.6.11 Costura frouxa – é toda costura cujos pontos não se apresentem firmes e/ou fixos junto ao tecido onde são aplicados. Defeito considerado grave.




X


10.3.6.12 Simetria entre as partes – são todas as partes idênticas (ex.: bolsos, portinholas, platinas, etc.) de uma peça cuja simetria, no que se refere a dimensão, posicionamento e altura, não esteja visivelmente em conformidade com o seu similar. Irregularidade crítica e não tolerada.




X



10.3.6.13 Pontos por centímetro – são pontadas por cm fora do especificado para a peça ou roupa. Irregularidade tolerada.




X

10.3.7 Caseados, botões e zíper: Quando fora de especificação, sua falta ou posicionamento incorreto, causa interferência no uso normal da roupa. A falta ou posicionamento incorreto serão considerados como defeito crítico e não serão tolerados.



X



10.3.8 Aviamentos: Aplicação de aviamentos fora do especificado, quanto a suas dimensões ou características, ou inadequados a sua função no uso da peça, será considerada como defeito crítico e não será tolerada.



X




DEFEITO

CLASSIFICAÇÃO

Crítico

Grave

Tolerável

NQA = 0,0

NQA = 1,0

NQA = 2,5

10.3.9 Acabamento: Todas as peças deverão passar por processo de limpeza e retirada de excessos de fios de costuras, bem como passamento e dobragem, de forma que seja fácil a identificação de seu tamanho, quando necessário. A irregularidade nesse quesito será considerada defeito grave.





X


10.3.10 Cores: As cores do tecido e das linhas são as especificadas nesta norma, segundo sua classificação no Código Pantone. As peças que, submetidas a inspeção visual e comparadas à cor Pantone de referência, demostrarem tonalidades diferentes, serão submetidas a teste de colorimetria.




X





11 Testes de Desempenho

11.1 Inspeção Visual e Metrológica

Será realizada inspeção visual e metrológica, para verificar o seguinte:

11.1.1 Se existem rugas, bolhas, vincos, rasgões ou quaisquer defeitos que evidenciem defeitos de fabricação do tecido ou defeitos de modelagem das peças.

11.1.2 Existência das etiquetas constantes do item 8 da Norma.

12.1.3 Se as medidas da calça estão de acordo com as exigências desta Norma.


11.2 Verificação das medidas: Será feita conforme a tabela de medida (TABELA 1) constante no item 7 desta norma.

11.3 Testes laboratoriais

Testes em laboratórios especializados podem ser realizados, caso a Comissão de Avaliação e Recebimento de Materiais (CPARM), julgue necessária a sua realização.



12 Aceitação e Rejeição

As calças que não satisfaçam aos requisitos especificados nesta norma devem ser rejeitadas.






Atualizado em ( 01-Mar-2011 )
 
© 2014 FARDAMENTO
Joomla! é um software livre disponibilizado sob licença GNU/GPL.